Pensações

Pensações

terça-feira, 6 de outubro de 2015

UMA NOVA HISTÓRIA

 
             Ela sempre acreditou que para o amor acontecer havia uma lógica bem definida: atração, química, paixão e, finalmente, amor.
            Nunca teve dúvidas. Se acontecesse a química, a paixão era certa e, assim, foi acreditando. De tanto acreditar, tornara-se verdade, e verdade não muda. Verdade é verdade. Quem vai falar que não?
Quando não rolava química, nem se ocupava com uma segunda chance. Ignorava o poder das circunstâncias e friamente encaixa
va tudo na sua lógica de amor.
        
           Não que tudo tivesse que virar amor. A história podia acabar em algum ponto e, ainda assim, ter valido à pena. Uma nova atração começava e ela, dona da verdade infinita, já sabia, despretensiosamente, as fases e as possibilidades. E assim seguia balançando seu vestido vermelho no caminho do amor em sua vida.

          De uma discrição notável que a fazia absoluta com seus pertences, guardados timidamente debaixo de suas saias, entregou-se, no decorrer do caminho, a uma confissão, tal qual os fiéis aos sacerdotes. Sentiu-se segura para levantar as saias e, quase como num suspiro, confessou e dividiu. Já não era mais absoluta, mas ainda não percebera. 

         E acreditando cegamente na fórmula: atração, química, paixão e amor, não percebia-se prisioneira.
        
        Nesse dia nublado e frio de uma confissão sussurrada, ele desenhou um sol, uma árvore e uma flor. E ela sentiu seu coração se aquecer, cantarolou umas canções e se perfumou de flores.
         
        E entre confissões, doces e azuis, se envolvia sem perceber. "A lógica não era essa afinal ". Segura de suas verdades, ele abrira a porta de sua prisão com chaves de girassóis e, bem de leve, conduziu-a a sentir seu cheiro e tragar seu gosto. 

        Perdida entre tantas sensações, mesmo com medo de desconstruir sua lógica de amor e perder suas verdades indestrutíveis, a liberdade era irresistível. E ele a libertou, bagunçou suas certezas, revirou seu coração e, hoje, encontra-se aqui, nada absoluta, oferecendo-lhe suas anáguas e confessando baixinho: eu sou apaixonada por você.

Um comentário:

sennajeferson disse...

Alguma coisa a fez mudar... Mas o que será!!! Algumas pessoas chamariam de AMOR.
Na verdade:
Eu chamo
Tu chamas
Ele chama
Nós chamamos
Vos chamais
Eles chamam
O amor é maioria, o amor soberano, o amor cabe até onde não a cabimento.
Um brinde à nova formula de amor.